Imprimir

Grupo de rap da Ceilândia usa a música para fazer conscientização ambiental

Escrito por Marcelo em . Postado em Vídeos

Grupo de rap da Ceilândia usa a música para fazer conscientização ambiental

Por Jusciane Matos

Que o rap é grito de protesto isso todo mundo já sabe. Mas, que esse ritmo pode ser um transformador e conscientizador para questões ambientais, isso é novidade. E foi exatamente isso que o grupo de rap da Ceilândia, BesouroBass, fez: uniu rap e conscientização ambiental no projeto Ritmo, Poesia e Preservação que culminou na gravação de um videoclipe na Chapada dos Veadeiros.

O grupo formado pelos rappers brasilienses, Marinho, Osik, Nenzin, Antunez e Farol lançou a música Noiz que Voa 2 que faz parte do segundo CD do grupo, intitulado de Até que a Vida Acabe e tem o objetivo de chamar a atenção das pessoas para a responsabilidade que cada um tem com o meio ambiente.

Há quatro anos na estrada, os besouros do cerrado brasiliense inovam constantemente.“Até hoje nenhum grupo havia trabalhado essa forma de conscientização usando o rap. Antes de surgir o projeto Ritmo, Poesia e Preservação nós já nos sentíamos incomodados com a sujeira nas cachoeiras da Chapada, com o desrespeito dos turistas e as queimadas em período de seca. É importante pensar no outro lado e não focar apenas no comercial” contou o DJ e Bboy Farol.

A escolha do lugar para a gravação do clipe se deu pelo fato de um dos integrantes do grupo, Marinho, ser natural de Alto Paraíso e todo o grupo ter uma forte ligação com o local. Outro ponto importante é que o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros tem grande relevância para o cerrado brasileiro, além de ser reconhecido como Patrimônio Natural Mundial da Humanidade pela Unesco. “Já queríamos gravar um clipe na Chapada e calhou com a música que fala do nosso nome: Besouro. A produção foi muito repentina. Íamos fazer só em agosto e nosso produtor, Tony Lopes, chegou pra fazermos em duas semanas. Foi sobrenatural porque as coisas que aconteceram tinham que acontecer”, avaliou Osik.

Além de cuidar do planeta, essa nova temática ajudou o grupo chegar a lugares antes inimagináveis. “A Besouro, desde o início, tem muito envolvimento com trabalho social em escolas, ONGs e nós gostamos muito disso. Com esse projeto já conseguimos espaço para tocar em dois festivais: o Green Move (que fala da falta de água) e o Virada do Cerrado (que trata do aquecimento global) e nós decidimos continuar com o projeto”, acrescentou Marinho. A ideia deu tão certo que o terceiro CD já está sendo planejado. O próximo trabalho terá 17 faixas e cada uma delas irá tratar de um dos Objetivos do Milênio da Organização das Nações Unidas (ONU).

Inovação, liberdade e quebra de preconceitos

Apesar de existir há mais de cinco décadas, o rap começa a ter um pouco mais de aceitação, especialmente pelo leque de temáticas que tem sido aberto pelos artistas da nova era.  Osik ressaltou a importância desse estilo para agregar pessoas: “nós sabemos o poder que a rima tem de chamar atenção, quebrar preconceitos e o rap simplifica a transmissão dessa mensagem”.

Antunez também acredita nesse poder transformador: “a parte mais legal é a de quebrar preconceitos e quando uma pessoa que não gostava de rap chega na gente e fala que a partir do momento que conheceu nosso trabalho, conheceu esse mundo do improviso, das rimas abriu a mente e passou a gostar porque viu que não é aquilo que a mídia mostra, que marginaliza”.

Para Farol a liberdade que o estilo proporciona é o mais interessante. “O rap não precisa ser algo quadrado. Tem espaço para todo mundo, muito assunto para abordar, muitas críticas a serem feitas e várias formas de trabalhar com as letras, com os flows. O problema é que antes isso não era tão difundido.”

Perfil

Já escolheu seu nome? Já. E qual é? Besouro.
“Avoa besouro. O povo diz que você avoa agora. Avoa ai pra mim ver.”
 
Marinho - Professor de Ed. Física e Rapper.
Nenzim - Assistente social. Produtor cultural. Rapper. Palestrante.
Osik - Professor de Ed. Física. Jogador de baquete. Rapper.
Pablo Antunez - Engenheiro civil. Músico (toca 13 instrumentos). Designer gráfico.
Farol - Estudante de Direito e de Produção Musical. DJ e B.Boy.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar